domingo, 30 de agosto de 2009

La rentrée chez Nunes

Tudo o que é bom acaba e assim as férias chegam ao fim. Pelo menos estas férias de verão.

Há tanto tanto tanto para contar que começo a achar que devia ter passado menos tempo a plantar batatas e a combater vampiros e mais tempo a escrever.

Mas acreditem: precisava também de umas férias da blogosfera.

As férias passaram sem messenger, sem chat de gmail, sem blogosfera. Podiam ter passado sem FB mas aquilo é um "bíchio que x'entranha na xente".

Amanhã o regresso à vida real e ao stress e sem tempo para adaptações ou transições vai ser um dia altamente stressante: começa com a hospitalização do Thunder e vai ser um non-stop de regressos e resoluções de problemas profissionais pendentes por imposição.

Sobreviverei?

5 comentários:

Me Hate disse...

Que "bíxio extranho" não será parente do "bíchio H ou A ou Lálá"? ;D

ThunderDrum disse...

Sobrevives sim, não te preocupes...

Beijos!

wednesday disse...

Sobrevives... Acabamos sempre por lutar contra esses bichos todos. Eu já comecei a delinear um plano...

E o FB... Aquilo é mesmo viciante! Para esquecer o resto por um bocadinho,

*Nós* disse...

Mais vale tarde que nunca né LOL :P
Depois de teres visitado o nosso blogue, já vai para mais de mil anos, aqui fica a visita de cortesia LOL :P
Agora a sério.. Gostei muito deste blogue, ainda não tive tempo de ir dar uma espreitada aos outros, mas fica aqui a promessa que assim que tiver um bocadinho ou eu ou o JLFT damos lá um saltinho :P

Com toda a certeza que sobrevives, como o meu menino gosta de dizer “o que não nos mata só nos deixa mais fortes e a vida só nos dá obstáculos que somos capazes de ultrapassar”

Ah pois é, não és só tu que tens a mania da psicologia de bolso LOOL :P

Beijinho grande =)

Ass. A.Menina

Gigi disse...

Bem... Escreveste este post ontem à noite e o dia de hoje já passa da metade... espero que tenhas sobrevivido...

Na verdade estou a brincar. Não te conheço o suficiente mas pelo que conheço acho-te capaz de sobreviver a muitas coisas daquelas chatas e aborrecidas. Por outro lado, e estranhamente, as dúvidas que temos em nós próprios são muitas vezes indício de que somos capazes de sobreviver às tais coisas chatas e aborrecidas.

bjs