quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Há quem ainda ache que eu só rio da desgraça alheia...

E ainda ando aqui de gargalhada fácil, só me contenho porque estou sozinha no gabinete, se alguém passa e me vê a rir confirma que não bato bem.

Hoje foi dia de almoço com a mãe.

Conversa para cá e para lá vai que o meu sobrinho bateu com a cabeça e fez um galo valente com direito a ferida.

Comento eu - entre outras coisas - que nunca parti a cabeça, mas que era melhor ele andar às cabeçadas agora que mais tarde.

Desata a minha mãe num rol de "desgraças" que me aconteceram em miúda. Eu ainda perdida de riso de uma e já ela na seguinte. E só dizia "tu que eras tão sossegadinha aconteceu-te tudo. Ao teu irmão que era o que era nunca aconteceu nada".

E vai que no rol constam assim de repente e que me lembre

*+/- 9 meses: pernas cortadas com garrafas (don't ask.. eu sempre me entretive com coisa pouca)

* +/- 11 meses: pernas queimadas e coladas (a sopa... a sopa... até ser adulta não ia muito à bola com aquilo)

* +/- 20 meses: pregos espetados nos pés (como era sossegadinha o meu pai deve ter achado que eu ia ficar bem numa base de madeira em cima de um móvel)

* +/- durante toda a infância: galos com cortes permanentemente (diz que havia uma grande afinidade entre a minha testa e a base de mármore onde assentava o fogão)

* Quase 3 anos e no mesmo verão: experiência de quase morte por afogamento (eu e o mar... já na altura havia atracção) e quase atropelamento com direito a marca de pneus, gritos histéricos, mãos na cabeça, sustos valentes por parte dos pais e eu de certeza na boa e sem dar por ela, como sempre

* Cerca de 5 anos: estampa brutal numa caixa de electricidade que estava no passeio (confesso que esta foi a que me levou à risada total, imaginar-me de dedo dado ao meu pai e ele esquecer-se que me levava pela mão e só se lembrar ao ouvir o "cabônuônuônuônuông" que a caixa fez e ver-me lá esbarradinha - hilariante!)


A rematar dizia a minha mãe: não sei como é que sobreviveste até aqui.

Conhecendo a minha história desde que era ainda um espermatozóide e um óvulo arrisco a dizer que eu também não sei mas calculo que duas forças ocultas lutem algures violentamente: uma para me levar e a outra para que eu fique.

Minhas caras forças ocultas: um dia hei-de ir, deixem-se dessas m*rdas, ok? Posso ter voto na matéria e escolher?






Ai.. ainda me vou a rir...

11 comentários:

Precious disse...

Parabéns, és uma mulher dura.
Eu só fui atropelada por um autocarro e tentei partir as escadas de pedra do Parque Eduardo VII à cabeçada. Estou a ver que sou uma amadora ;)

Thunderlady disse...

Estas são apenas as que aconteceram até aos 5 anos... calma... para o resto teria que abrir outro blog, AHAHAH

Rita disse...

Caramba, se fosses minha filha fechava-te num quarto almofadado e alimentava-te por uma frincha com alimentos frios e já previamente cortados, descascados, descaroçados e desossados (não fosses engasgar-te com o caroço/osso)...Jokas

Borboleta disse...

Bem mulher, realmente aconteceu-te de um tudo!
Mais valia teres sido menos sossegadinha lolol

Isso faz de ti a mulher que és! ;o)

ThunderDrum disse...

"cabônuônuônuônuông"

AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA!!!!!!!!!!!

Agora não te acontece nada pq tou cá eu... ;)

Gigi disse...

Rir da desgraça alheia tem montes de piada. Eu agora ri-me... :)
bjs

Restelo disse...

Olha, eu ri-me às bandeiras despregadas do que escreveste, Mas há coisas que só têm piada uns quantos anos depois, não é?
És de titânio, só pode!

★ Aralis ★ disse...

LOLOLOL
Bem de facto, és uma mulher milagre!
Que histórias ainda nem fora desbobinadas...
Que mistérios se esconderão?

Admito tb sou do mm clube atreita a disparate... Desastrada como eu só...lol
Mas dessas ñ tenho para contar! Chiça!
lol
jokitas e espero que entretanto tenha abrandado esse rol de acontecimentos!

Noiva Judia disse...

A minha especialidade era rebolar escadas abaixo, atirada pelo cão da minha tia, quando se empoleirava nas patas traseiras... note-se que tudo isto era involuntário e não tinha bom resultado.

mimanora disse...

eh pa que inicio de infância traumatizante:)
Eu era perita em cair de rabo e em partir a cabeça à minha irmã.

I. disse...

Como é que chegaste viva à idade adulta é um mistério :D