sábado, 13 de dezembro de 2008

Em fase de avaliação de riscos

Já não me sinto na blogosfera como me sentia ao início: livre.

Já não sinto a blogosfera como ao início: o único sítio, ainda que virtual, onde eu podia ser eu mesma.

Onde pensei que a "vida real" fosse condicionar este blog apercebo-me que é memso a vida virtual que me impede de dar mais passos.

As coisas que tenho a dizer são para serem lidas, sim, porque eu quero que sejam lidas. Lidas por uns olhos quaisquer? Não. lidaspor olhos que me desocnhecem totalmente, lidas por olhos que me conhecem bem demais. Mas não lidas por olhos de quem aparece a espiar, a surripar, a estender os braços para o abraço que traz a facada.

Podia criar um blog particular, pois podia. Se calhar até o criei, se calhar até nem escrevo lá porque quero que o leitor furtuito se cruze com as minhas linhas e não apenas o leitor que eu escolho.

De todos os sítios que conheço este é aquele onde menos existo sem restrições.

6 comentários:

Vekiki disse...

Tens razão Thunder. Em todas as palavras que aqui deixas. Também sinto isso. É estranho mas verdadeiro. Senti isso há uns dias atrás, há uma semana. E não gostei. Fiquei um pouco desanimada com o conhecimento não conhecimento que supõe ter o direito de dizer coisas que não gostamos de ouvir. Enfim...apesar de virtual, esta nossa casinha também se veste de características pouco simpáticas do real.
Beijo

Anónimo disse...

E feliz do leitor fortuito que aqui te vem ler.
Deixa-te estar.

beijoko

*

ovo*

blackstar disse...

Eu estou extremamente confusa com o meu... :(

Cada vez mais me sinto menos à vontade no meu e privatizá-lo nunca foi a minha política...

E nem sequer consigo perceber se estou a ser "atacada" pelo real ou pelo virtual... :(

pensamentosametro disse...

Se vamos falar de quem já foi atacado, ó pa mim aqui que até já teve e tem direito a blogue, ou melhor blóguio exclusivo para axincalhamento. Digo-vos uma coisa rio-me na cara das imbecis, pequeninas, mirradas, frustradas, invejosas do que nós temos. Somos nós da cabeça aos pés sem artifícios nem máscaras com erros ortográficos e de casting, não raras as vezes mas no mundo virtual encontrei até hoje alguns que podem vir a ser mais seres humanos por dentro e por fora. Ai e isto tudo para quê Vanda Maria? Para dizer que te adoro ler que adoro conversar contigo, estar contigo e se algum dia pensares em dar de frosques....leia-se em tom ameaçador, eu sei onde moras.


Bjos



Tita

mimanora disse...

Thunderlady, temos de ser nós próprios dentro ou fora da nossa casinha virtual como diz a Vekiki, não vamos deixar de ser e de fazer o que gostamos por causa de mentes que deveria talvez estar fechadas num qualquer sitio.
Não sei o que se passa nem até agora tive nehum desaire virtual mas não deixes que seja o que for que te aconteceu te deite abaixo.

bjks

Borboleta disse...

Já falamos uma vez sobre isso e apenas acrescendo ou repito, que apesar de tudo, escrevo porque gosto e como gosto...mas lá está por vezes existe algumas condicionantes...tento passar por cima disso e dar-lhe a volta ;o)

bjs